Trabalhos 2020-21

Painel Biodiversidade da Minha Terra

Escola Secundária Dr. João Lopes de Morais (Mortágua)

Escalão:  2º escalão (2º e 3º ciclos)

Pesquisa sobre a biodiversidade local:

Memória Descritiva:
DESAFIO ECO-ESCOLAS
“PAINEL DA BIODIVERSIDADE DA MINHA TERRA”
MEMÓRIA DESCRITIVA
A nossa escola situa-se em Mortágua, distrito de Viseu, numa zona de serra – Serra do Buçaco. Trata-se de uma zona de floresta que é fortemente marcada por manchas de floresta plantada de eucalipto que contrastam com manchas de floresta autóctone bem preservada – a Floresta Mediterrânica. Esta última foi a fonte de inspiração das nossas pesquisas, a par do Rio Mondego que atravessa a nossa região e alguns dos seus afluentes, como é o caso do rio da Póvoa que circunda a nossa escola, criando diversos habitats de zonas húmidas.
A nossa escola, EB2,3 Dr. José Lopes de Oliveira, anexa à ES Dr. João Lopes de Morais (escola sede do AE Mortágua) tem um espaço exterior de grandes dimensões e é repleto de diversos espaços verdes, onde desde há muito têm sido plantadas diversas espécies de árvores e arbustos, a maior parte deles autóctones e característicos da nossa região. Tal diversidade de árvores e o seu elevado número, atrai muitas aves e insetos que povoam o recreio da nossa escola. Foi o recreio da nossa escola que nos inspirou a fazer este trabalho, numa aula de campo de Ciências Naturais em que a professora nos convidou a conhecer melhor o recreio da escola. Nesse dia, recolhemos folhas e ramos que levamos para a sala, colocamos a secar e identificamos. Nos dias seguintes, dedicámo-nos à observação de aves e insetos no recreio da escola e tiramos algumas fotografias que nos ajudassem a identificar as espécies. No final desta etapa, ficamos surpreendidos com a biodiversidade do recreio da nossa escola!
Já em sala de aula, discutimos todos os dados recolhidos e resolvemos participar no desafio proposto pela ABAE. Dedicamos, então algum tempo a pesquisas na internet (recorrendo a alguns sítios que a professora nos indicou) e junto das nossas famílias.
Para confirmar que a biodiversidade do recreio da escola é representativa da nossa região, fomos para o campo de novo, mas agora fora dos portões da escola. Fizemos o “percurso pedestre das Várzeas”, de cerca de 5km ao longo das margens do rio da Póvoa ali bem perto da escola. A Natureza tinha para nós um espetáculo preparado! Pudemos assim acrescentar os anfíbios, observar muitas das espécies de árvores e compará-las com as do recreio da escola. Não vimos a lontra, mas alguns dos nossos familiares garantiram que ela existe neste local. Vimos também a cobra-de-água e os lagostins que, infelizmente, são uma espécie invasora que contribui para o desequilíbrio deste ecossistema.
Voltando à escola, decidimos construir um painel que se parecesse com tudo o que vimos e onde pudéssemos colocar as folhas e os ramos (após secagem) das árvores e representar todos os animais observados por nós. Pedimos ajuda ao nosso professor de Educação Visual para desenhar os animais. Arranjamos uma base de suporte ao nosso painel, feita de cortiça, e utilizamos a colagem dos materiais como técnica principal (usamos cola quente, cola de madeira e cola branca). Resolvemos construir uma espiral com ramos de salgueiro apanhados na escola, representando a dinâmica do ecossistema, os diversos fatores bióticos e abióticos, bem como os ciclos de matéria tão importantes para a sua manutenção. Entretanto, um grupo fez as etiquetas com a identificação de algumas das espécies e outro grupo dedicou-se à elaboração das mensagens de conservação.
Para além de concorrermos ao desafio proposto pela ABAE, decidimos expor o nosso trabalho na escola, juntamente com todos os outros trabalhos que fizemos este ano no âmbito do programa Eco-Escolas.
A turma A do 8ºAno

Fotos do painel: