Trabalhos 2020-21

Eco-Piñata

Escola EB1/JI do Picoto (Oliveira de Azeméis)

Escalão:  1º escalão (jardins de infância e 1º ciclo)

Pesquisa sobre a origem da pinhata:

Memória Descritiva:
Eco-Pinhata – Memória Descritiva
Após terem realizado com sucesso a missão de aprender e ensinar aos outros a “Amar o Mar”, nada parecia mais lógico para os nossos pequenos heróis do que reforçar o alerta para a proteção do nosso planeta azul, em particular a vida dos animais que vivem nos meios aquáticos.
Com o empenho e colaboração de todos, depois de acesa mas salutar discussão, chegaram ao consenso de que as tartarugas mereciam especial atenção, pois são uma das espécies que corre o risco de desaparecer devido à poluição e alterações do clima. Para além disso, o desafio pinhata-tartaruga seria divertido, delicioso e saudável!
Assim, os 22 alunos da Sala 1 da Pré-Escola e os 20 alunos do 2º A, da EB/JI do Picoto, deitaram mãos à obra e começaram logo a fase de planeamento. Neste processo, novo obstáculo surgiu “Como vamos fazer a nossa pinhata-tartaruga?”. Nada que a pesquisa e imaginação não resolvessem:
- Para representar as diferentes espécies de tartarugas escolheram a tartaruga do jogo Minecraft;
- Materiais (que havia lá por casa): caixas (vazias) de cereais, de bolachas, de cápsulas de café…;
- Outros materiais: colas UHU em stick e de tubo, tintas guache.
Ultrapassado o primeiro obstáculo, os alunos selecionaram, organizaram as caixas e, como um puzzle, colaram todas as partes, construindo, assim, a pinhata-tartaruga. Para decorar, ao invés dos tradicionais papelinhos recortados, preferiram pintar com guaches.
Sem esquecer que se tratava de uma pinhata, havia agora que tratar das guloseimas. Mas não poderiam ser umas guloseimas quaisquer, tinham que ser saudáveis! Então, por que não umas deliciosas bolachas confecionadas de forma artesanal e produtos naturais?
Decisão tomada, ingredientes preparados - bananas maduras, ovos, manteiga de amendoim e farinha de aveia (Nada de açúcar refinado!) - as crianças deitaram mãos à obra: misturaram todos os ingredientes e colocaram colheradas da mistura num tabuleiro. Depois de cozerem no forno, as bolachas foram embrulhadas individualmente, com restos de papel de embrulho, e colocadas dentro da pinhata.
Por fim, qual o melhor dia para rebentar a pinhata-tartaruga? Nada mais, nada menos, que… O Dia Mundial da Criança! Cada um na sua vez teve oportunidade de bater na pinhata até a mesma ficar desfeita. Por último, todos comeram as bolachinhas que confecionaram e que, desta vez, foram distribuídas de forma equitativa! Foi uma grande festa!!!
Podemos concluir que as crianças envolveram-se ativamente em todas as fases da atividade de elaboração da pinhata-tartaruga e aprenderam, de uma forma lúdica, que conseguem reaproveitar embalagens, cujo destino seria o lixo/ecoponto, para criarem objetos que podem servir para honrar tradições ou, simplesmente, para se divertirem!

Fotos da pinhata: